Seguidores

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Rotaract - Actividades


Participação do Rotaract Club da Póvoa de Varzim na Feira da Solidariedade, cuja barraca foi visitada pela Representante Distrital do Rotaract do Distrito 1970, Ângela Barros, enquanto a Presidente, Liliana Pontes estava de serviço.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Protocolo, segundo o Compº Miguel Loureiro

Introdução

Temos observado em reuniões de vários clubes rotários, um comportamento diferenciado dos Directores de Protocolo, todos eles buscando imprimir um estilo pessoal ao trabalho que desenvolvem e esforçando-se por procurar manter os preceitos rotários básicos e elementares.
Mas nem sempre esse esforço conduz à uniformidade exigível, no que de mais simples deve ser o protocolo rotário. Por isso, achamos por bem compilar algumas dicas orientadoras, que permitam essa uniformidade, por se entender que a actuação do protocolo reflecte o próprio clube e o movimento, de forma que, quanto mais organizado, melhor impressão causará aos visitantes, proporcionando-lhes uma visão orientada e universal.
Sem qualquer pretensão à perfeição, procuramos recolher de outros manuais de protocolo rotário, brasileiros, franceses e espanhóis, o que amalgamado e adaptado ao nosso modo de estar e de ser rotários, com a cultura própria que temos, resultasse como indicação do caminho mais seguro possível, não só para os Directores de Protocolo, mas para todos os rotários, porque cada um a seu tempo exercerá essa relevante função, num futuro próximo. Não quisemos esgotar o assunto ou levá-lo ao expoente máximo, porque o nosso propósito foi dirigir este manual unicamente aos clubes, para o seu dia-a-dia.

Itens

1. Uma função importante
2. Qual é a função?
3. Qualidades requeridas
4. As principais tarefas
Antes da Reunião
Durante a Reunião
5. Visita Oficial do Governador - VOG
6. Entrada de Novos Sócios
7. Reuniões Conjuntas
8. Organização da Sala e a Mesa da Presidência
9. A Ban­deira Nacional e as outras
10. Ordem da Precedência dos Dirigentes Rotários
11. Ordem de Precedência das Autoridades
12. Ordem da Precedência na Mesa da Principal
13. Ordem da Precedência na Saudação às Bandeiras

Miguel Loureiro – R. C. Póvoa de Varzim PROTOCOLO ROTÁRIO

1. Uma função importante
§ Função importante que requer uma atenção muito particular, afim de que as reuniões se decorram o mais harmoniosamente possível, tanto para os membros do clube como para as visitas.
§ Um protocolo de classe baseia-se num bom ambiente que agrada aos sócios e aos visitantes.
§ Ele é o cartão de visita.

2. Qual é a função?
Se o Chefe do Protocolo não é automaticamente membro do Direcção do clube (isso depende do Regulamento Interno), é altamente desejável a sua presença na Direcção, porque ele é um dos colaboradores mais directos do Presidente.
Afim de cumprir melhor a sua função, ele deve estar ao corrente do que se passa no clube, assim como dos programas das diversas comissões.
Por outro lado, é desejável confiar este lugar a um Rotário experiente. Deve estar previsto um substituto: o Chefe de Protocolo Adjunto. Este segundo lugar poderá e deverá ser confiado a um Rotário recente, que beneficiará assim da experiência do Chefe de Protocolo.
3. Qualidades requeridas
§ Ter um bom conhecimento de Rotary, do Regulamento Interno e do Protocolo.
§ Estar ao corrente do Lema do Ano Rotário e dos programas de acção das comissões do clube.
§ Ter habilidade e sabedoria.
§ Agir com diplomacia e tacto, mas mostrar-se também firme, se necessário.
§ Saber adaptar-se a situações imprevisíveis.
4. As principais tarefas
Ø Antes da Reunião:
§ Fazer a lista do material necessário
§ Estar presente 15 minutos antes do começo da reunião, afim de controlar os preparativos.
§ Conferir a ordem da Mesa da Presidência (ao centro), das Bandeiras (à direita) e da Tribuna (à direita).
§ Conferir a ordem correcta da Panóplia das Bandeiras.
§ Estar bem ao corrente da ordem-do-dia da reunião (um contacto prévio com o presidente é aconselhável, afim de que as intervenções de uns e de outros sejam bem planificadas)
§ Velar para que a sala onde vai decorrer a reunião esteja em ordem (tribuna, micro, decoração rotária, …)
§ Não esquecer: as flores, a flâmula, o presente-recordação, … (para as ocasiões especiais)
§ Velar para que os visitantes sejam bem acolhidos: apresentá-los ao Presidente e aos membros do clube e oferecer-lhes o copo da amizade (aperitivo, …) da parte do clube.
§ Velar para que todos os membros tragam o distintivo e eventualmente os seus reconhecimentos.
§ Velar por começar e encerrar as reuniões à hora prevista.
§ Fazer a ordem de precedências, rotária e de convidados.
§ Dispor os convivas na Mesa da Presidência, respeitando as ordens hierárquicas.
Ø Durante a Reunião:
§ Abrir a reunião…e encerrá-la.
§ Anunciar o conferencista e apresentar os visitantes (Nome + clube).
§ Participar os convites feitos aos membros (nome do clube) e as eventuais faltas.
§ Dar a palavra ao Presidente, aos intervenientes, ao conferencista, baseando-se no que foi combinado na preparação da reunião.
§ Lembrar as datas importantes das actividades do clube e do Distrito.
§ Velar para que tudo se desenrole harmoniosamente.
§ Convidar os visitantes rotários que queiram tomar a palavra.
§ Estar atento ao tempo da reunião e advertir o Presidente de eventuais atrasos.
§ Convidar os membros do clube (os padrinhos principalmente) a contactarem com os Amigos ausentes (doentes ou ausentes por motivo não conhecido) afim de se manter o contacto com TODOS.
§ Encerrar a reunião à hora, desejando uma boa semana aos Amigos do clube e pedindo aos visitantes para transmitirem os cumprimentos do clube...
5. Visita Oficial do Governador - VOG
§ Os membros do clube devem ser informados previamente da visita do Governador. O Chefe do Protocolo anunciará, várias semanas antes, a data desta visita e lembrá-la-á em cada semana. Ele insistirá igualmente sobre o desejo de ver todos os membros presentes nessa ocasião.
§ O Chefe do Protocolo velará igualmente pela presença dos estudantes Bolseiros do Clube, de um eventual Bolseiro da Rotary Foundation e o/s Presidente/s do/s clube/s Rotaract/Interact patrocinado/s pelo clube.
§ Ter em conta o facto de que a reunião reveste um carácter oficial.
§ Velar para que a sala esteja decorada, que um local esteja previsto para a reunião prévia com o Presidente e os membros da Direcção.
§ Prever flores se a esposa do Governador o acompanhar, prever igualmente um presente, um galhardete (assinado pelos membros do clube)…
§ Prever também a entrega de um cheque ao Governador (Rotary Foundation)
§ Velar muito particularmente pela disposição dos convivas na Mesa da Presidência (Past-Governadores, membros particularmente meritórios, PHF, Governador Assistente, o Past Presidente, o Presidente eleito, o último Rotário entrado no clube…) em função do número de lugares disponíveis.
§ Velar para que não haja conferencista no dia da Visita Oficial do Governador.
§ Velar igualmente para que as comunicações sejam reduzidas ao mínimo.
§ Lembrar ao Presidente o colar, se for uso.
§ Limitar as intervenções para deixar ao Governador o máximo de tempo para a sua intervenção.
§ Fixar o tempo da reunião e lembrar a todos os membros (reunião com o Presidente, reunião com os membros da Direcção, …)
§ Lembrar que não haverá mais intervenções depois da do Governador, salvo se este decidir em contrário.
§ Não esquecer de apresentar todos os membros do clube ao Governador, seja no princípio da reunião (Nome, Apelido, classificação, função no clube), seja passando com o Governador e o Presidente do clube de mesa em mesa.
6. Entrada de Novos Sócios
§ Velar para que o Padrinho esteja presente na reunião, porque é ele que tem que apresentar o seu afilhado e futuro membro.
§ Providenciar o distintivo rotário e remeter-lhe a documentação rotária (principalmente a brochura especialmente destinada aos novos membros).
§ Ver igualmente o documento ‘Entrada de um novo membro’.
7. Reuniões Conjuntas
O Presidente pode eventualmente confiar ao chefe do protocolo certas tarefas especiais como a de representar o Club (Relações públicas) ou decorrentes de reuniões com um carácter especial, como por exemplo reuniões conjuntas, quer na preparação, quer na efectivação..
Nas reuniões de dois ou mais clubes rotários, uma vez saudadas as bandeiras e realizadas as apresentações da praxe, recomenda-se oferecer a direcção da reunião ao/aos Presidente/s do/s clube/es presente/s, para que desenvolva/m o/os seu/s programa/s respectivo/s (por ordem alfabética ou importância circunstancial). retomada a direcção da reunião pelo Presidente do clube anfitrião, este adequará o seu programa e informações em relação com o realizado pelo/s clube/s que o precedeu/deram, fazendo-o de forma discreta.
Nestas reuniões, tanto o início como o final da mesma, deverão ser efectuadas pelo Presidente do clube anfitrião, sem excepção.
Se o orador for o Presidente de um clube visitante ou um rotário de um desses clubes, proceder-se-á da seguinte maneira:
a) o anúncio da actuação do orador da noite será feita pelo Presidente do clube anfitrião,
b) logo pedirá ao Presidente ou ao rotário do clube do orador, que realize a mesma,
c) na continuação o orador fará uso da palavra.
No fim da actuação do orador, o Presidente do clube anfitrião agradecerá a sua colaboração. No caso de o orador pertencer ou tivesse sido convidado por um dos clubes visitantes, o Presidente do clube anfitrião fará ressaltar a circunstância e agradecerá a colaboração.
8. Organização da Sala e a Mesa da PresidênciaBandeiras (direita) - Mesa da Presidência (centro) – Tribuna (esquerda)
9. A Ban­deira Nacional e as outras (a ordem considera-se vista da mesa para a sala):
1. Se o número for ímpar, no centro de todas as bandeiras;
2. Se o número for par, no centro-direita e a 2ª bandeira no centro-esquerda;

Em qualquer situação, alternam-se as restantes bandeiras, à esquerda e à direita, por ordem decrescente da sua importância.
10. Ordem da Precedência dos Dirigentes Rotários
1. Presidente do Clube;
2. Governador do Distrito;
3. Governadores de ou­tros Distritos;
4. Past-Governador (por antiguidade);
5. Governador‑Eleito;
6. Governador‑lndica­do;
7. Governador Assistente
8. Presidente de Clube; Ex‑Presidente;
9. Presidente‑Eleito de Clube;
10. Vice‑Presidente de Clube;
11. Secretário de Clube;
12. Tesoureiro de Clube;
11. Ordem de Precedência das Autoridades
1. Presidente da República
2. Ministro
3. Presidente da Câmara Municipal
4. Juizes (conforme hierarquia)
5. Militares (conforme hierarquia)
6. Representantes de Profissões Religiosas (conforme hierarquia)
12. Ordem da Precedência na Mesa Principal
1. O Governador do Distrito ocupará sempre lugar na Mesa da Presidência, à direita do Presidente, tal como o Governador Assistente (na ausência daquele).
2. Quando estão presentes autoridades civis, militares, eclesiásticas, institucionais, etc., a de maior hierarquia tomará o seu lugar imediatamente à esquerda do Presidente.
3. As Senhoras guardam a mesma ordem hierárquica dos maridos, no caso de as colocar na mesa; à direita do Presidente a esposa do que está à sua esquerda e assim sucessivamente, intercalando homem/senhora.
4. À direita da primeira autoridade rotária, tomará lugar o dirigente convidado de maior hierarquia que esteja presente e, assim sucessivamente, tanto à direita como à esquerda da presidência, e sempre tendo em conta as ordens hierárquicas.
5. Quando o orador da noite não é uma das autoridades presentes, o seu lugar na mesa será o imediatamente à esquerda de quem preside à reunião. Se for um dos convidados, o seu lugar será à direita de quem preside à reunião.
6. Quando se prevê a assistência de vários presidentes de clubes rotários e que não possam ocupar todos eles lugares na mesa, é recomendável preparar uma mesa especial onde todos caibam possibilitando assim um fluído intercâmbio de ideias e conhecimentos.
7. As mesas devem ser formadas com número ímpar de lugares, para que o centro seja ocupado pelo Presidente do Clube e as restantes pelos dirigentes rotários ou entidades, por ordem decrescente do centro para as periferias. Exemplos:
1 – Presidente do Clube
2 – Governador Assistente
3 – Orador
4 – Esposa do Presidente
5 – Esposa do Orador (ou GA)
1 – Presidente do Clube
2 – Governador
3 – Esposa do Governador
4 – Esposa do Presidente
5 – Presidente da Câmara
6 – Comandante da Polícia
7 – Esposa do Past-Governador
8 – Esposa do Presidente da Câmara
9 – Past-Governador
13. Ordem da Precedência na Saudação às Bandeiras
1. A Bandeira Nacional tem que ser saudada apenas por um rotário, excepto se for o Presidente da República, devendo ser convidado o rotário mais distinto na precedência rotária.
2. A Bandeira de Rotary, deve ser saudada por um convidado não rotário, ou autoridade civil.
3. As restantes Bandeiras não devem ser saudadas pelos dirigentes dessas instituições, devendo-se fazer a troca entre as bandeiras e os dirigentes.
4. ...

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Boletim da FRP nº 1

Rotários devem participar mais nas actividades da FRP-ver mais
Machado Teixeira termina comissão no CA da FRP-ver mais
Jovem distinguida na sessão dos 50 anos da FRP-ver mais
Rotaract’s 1960 e 1970 apostam em bolsas de estudo.-ver mais
F.R.P. apoia projectos de clubes rotários-ver mais

domingo, 12 de julho de 2009

Direitos Humanos

Direitos Humanos
60 anos - 2008/2009

Área de Projecto
Professor: Miguel Loureiro
Aluna: Ana Ferreira
Nº. 2 - Ano: 7º - Turma: E

Direitos da criança

1- A criança deve ter condições para se desenvolver física, mental, moral, espiritual e socialmente, com liberdade e dignidade.

2- A criança tem direito a um nome e uma nacionalidade, desde o seu nascimento.

3- A criança tem direito à alimentação, lazer, moradia e serviços médicos adequados.

4- A criança deve crescer amparada pelos pais e sob sua responsabilidade, num ambiente de afecto e de segurança.

5- A criança prejudicada física ou mentalmente deve receber tratamento, educação e cuidados especiais.

6- A criança tem direito a educação gratuita e obrigatória, ao menos nas etapas elementares.

7- A criança, em todas as circunstâncias, deve estar entre os primeiros a receber protecção e socorro.

8- A criança deve ser protegida contra toda forma de abandono e exploração. Não deverá trabalhar antes de uma idade adequada.

9- As crianças devem ser protegidas contra prática de racial discriminação e, religiosa, ou de qualquer índole.

10- A criança deve ser educada num espírito de compreensão, tolerância, amizade, fraternidade e paz entre os povos.


Direitos Humanos

Artigo 1.º - Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.
Artigo 2.º - Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, de cor, de sexo, de língua, de religião, de opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação.
Além disso, não será feita nenhuma distinção fundada no estatuto político, jurídico ou internacional do país ou do território da naturalidade da pessoa, seja esse país ou território independente, sob tutela, autónomo ou sujeito a alguma limitação de soberania.
Artigo 3.º - Todo o indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.
Artigo 4.º - Ninguém será mantido em escravatura ou em servidão; a escravatura e o trato dos escravos, sob todas as formas, são proibidos.
Artigo 5.º - Ninguém será submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes.
Artigo 6.º - Todos os indivíduos têm direito ao reconhecimento em todos os lugares da sua personalidade jurídica.
Artigo 7.º - Todos são iguais perante a lei e, sem distinção, têm direito a igual protecção da lei. Todos têm direito a protecção igual contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.
Artigo 8.º - Toda a pessoa tem direito a recurso efectivo para as jurisdições nacionais competentes contra os actos que violem os direitos fundamentais reconhecidos pela Constituição ou pela lei.
Artigo 9.º - Ninguém pode ser arbitrariamente preso, detido ou exilado.
Artigo 10.º - Toda a pessoa tem direito, em plena igualdade, a que a sua causa seja equitativa e publicamente julgada por um tribunal independente e imparcial que decida dos seus direitos e obrigações ou das razões de qualquer acusação em matéria penal que contra ela seja deduzida.
Artigo 11.º - 1. Toda a pessoa acusada de um acto delituoso presume-se inocente até que a sua culpabilidade fique legalmente provada no decurso de um processo público em que todas as garantias necessárias de defesa lhe sejam asseguradas.
2. Ninguém será condenado por acções ou omissões que, no momento da sua prática, não constituíam acto delituoso à face do direito interno ou internacional. Do mesmo modo, não será infligida pena mais grave do que a que era aplicável no momento em que o acto delituoso foi cometido.
Artigo 12.º - Ninguém sofrerá intromissões arbitrárias na sua vida privada, na sua família, no seu domicílio ou na sua correspondência, nem ataques à sua honra e reputação. Contra tais intromissões ou ataques toda a pessoa tem direito a protecção da lei.
Artigo 13.º - 1. Toda a pessoa tem o direito de livremente circular e escolher a sua residência no interior de um Estado.
2. Toda a pessoa tem o direito de abandonar o país em que se encontra, incluindo o seu, e o direito de regressar ao seu país.
Artigo 14.º - 1. Toda a pessoa sujeita a perseguição tem o direito de procurar e de beneficiar de asilo em outros países.
2. Este direito não pode, porém, ser invocado no caso de processo realmente existente por crime de direito comum ou por actividades contrárias aos fins e aos princípios das Nações Unidas.
Artigo 15.º - 1. Todo o indivíduo tem direito a ter uma nacionalidade.
2. Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua nacionalidade nem do direito de mudar de nacionalidade.
Artigo 16.º - 1. A partir da idade núbil, o homem e a mulher têm o direito de casar e de constituir família, sem restrição alguma de raça, nacionalidade ou religião. Durante o casamento e na altura da sua dissolução, ambos têm direitos iguais.
2. O casamento não pode ser celebrado sem o livre e pleno consentimento dos futuros esposos.
3. A família é o elemento natural e fundamental da sociedade e tem direito à protecção desta e do Estado.
Artigo 17.º - 1. Toda a pessoa, individual ou colectivamente, tem direito à propriedade.
2. Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua propriedade.
Artigo 18.º - Toda a pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos.
Artigo 19.º - Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e ideias por qualquer meio de expressão.
Artigo 20.º - 1. Toda a pessoa tem direito à liberdade de reunião e de associação pacífica.
2. Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação.
Artigo 21.º - 1. Toda a pessoa tem o direito de tomar parte na direcção dos negócios públicos do seu país, quer directamente, quer por intermédio de representantes livremente escolhidos.
2. Toda a pessoa tem direito de acesso, em condições de igualdade, às funções públicas do seu país.
3. A vontade do povo é o fundamento da autoridade dos poderes públicos; e deve exprimir-se através de eleições honestas a realizar periodicamente por sufrágio universal e igual, com voto secreto ou segundo processo equivalente que salvaguarde a liberdade de voto.
Artigo 22.º - Toda a pessoa, como membro da sociedade, tem direito à segurança social; e pode legitimamente exigir a satisfação dos direitos económicos, sociais e culturais indispensáveis, graças ao esforço nacional e à cooperação internacional, de harmonia com a organização e os recursos de cada país.
Artigo 23.º - 1. Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à protecção contra o desemprego.
2. Todos têm direito, sem discriminação alguma, a salário igual por trabalho igual.
3. Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, que lhe permita e à sua família uma existência conforme com a dignidade humana, e completada, se possível, por todos os outros meios de protecção social.
4. Toda a pessoa tem o direito de fundar com outras pessoas sindicatos e de se filiar em sindicatos para a defesa dos seus interesses.
Artigo 24.º - Toda a pessoa tem direito ao repouso e aos lazeres e, especialmente, a uma limitação razoável da duração do trabalho e a férias periódicas pagas.
Artigo 25.º - 1. Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços sociais necessários, e tem direito à segurança no desemprego, na doença, na invalidez, na viuvez, na velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência por circunstâncias independentes da sua vontade.
2. A maternidade e a infância têm direito a ajuda e a assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimónio, gozam da mesma protecção social.
Artigo 26.º - 1. Toda a pessoa tem direito à educação. A educação deve ser gratuita, pelo menos a correspondente ao ensino elementar fundamental. O ensino elementar é obrigatório. O ensino técnico e profissional deve ser generalizado; o acesso aos estudos superiores deve estar aberto a todos em plena igualdade, em função do seu mérito.
2. A educação deve visar à plena expansão da personalidade humana e ao reforço dos direitos do homem e das liberdades fundamentais e deve favorecer a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desenvolvimento das actividades das Nações Unidas para a manutenção da paz.
3. Aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o género de educação a dar aos filhos.
Artigo 27.º - 1. Toda a pessoa tem o direito de tomar parte livremente na vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar no progresso científico e nos benefícios que deste resultam.
2. Todos têm direito à protecção dos interesses morais e materiais ligados a qualquer produção científica, literária ou artística da sua autoria.
Artigo 28.º - Toda a pessoa tem direito a que reine, no plano social e no plano internacional, uma ordem capaz de tornar plenamente efectivos os direitos e as liberdades enunciados na presente Declaração.
Artigo 29.º - 1. O indivíduo tem deveres para com a comunidade, fora da qual não é possível o livre e pleno desenvolvimento da sua personalidade.
2. No exercício destes direitos e no gozo destas liberdades ninguém está sujeito senão às limitações estabelecidas pela lei com vista exclusivamente a promover o reconhecimento e o respeito dos direitos e liberdades dos outros e a fim de satisfazer as justas exigências da moral, da ordem pública e do bem-estar numa sociedade democrática.
3. Em caso algum estes direitos e liberdades poderão ser exercidos contrariamente aos fins e aos princípios das Nações Unidas.
Artigo 30.º - Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada de maneira a envolver para qualquer Estado, agrupamento ou indivíduo o direito de se entregar a alguma actividade ou de praticar algum acto destinado a destruir os direitos e liberdades aqui enunciados.
A Guerra
Na guerra as pessoas não agem com espírito de fraternidade, não têm liberdade, não têm direito á vida e não têm segurança pessoal.
Na guerra Palestiniana as pessoas são torturadas e mortas e as principais vítimas são as crianças porque para mim o maior crime é matar uma criança. Nessa guerra as pessoas não têm direito à protecção.
Os militares destroem as casas das pessoas com muitos instrumentos explosivos.
Se todas as pessoas cumprissem com a Declaração dos Direitos Humanos não haveria tantas guerras e sobretudo não haveria tantas mortes.
Se as pessoas em vez de gastarem dinheiro em instrumentos explosivos construíssem escolas, casas, etc… todos ficaríamos a ganhar.
Na minha opinião as pessoas queixam-se do mundo e da vida que têm mas em vez de a melhorar, elas destroem-na e isso é um crime contra a Humanidade.
Direitos Humanos no Quotidiano
Hoje em dia as pessoas não cumprem os direitos humanos, a vida está muito diferente na economia, na justiça, na violência, na religião, aborto e saúde.
Na economia as pessoas recebem ordenados mínimos ao final do mês e ainda há pessoas desempregadas com filhos para educar e com contas para pagar por crimes que não cometeram, ou são mortas porque juram que não os fizeram.

Na violência, as pessoas são violadas, são maltratadas pelos maridos ou mulheres, os avôs que maltratam os netos.

Na religião as pessoas não aceitam a religião dos outros e as consequências são muito trágicas (guerras, mortes, violações).
O aborto é um crime que nenhuma mulher deve fazer porque está a tirar a vida a um ser humano, mas também há mulheres que são ameaçadas para o cometerem.

Há pessoas que têm doenças muito graves e não têm dinheiro para pagar os tratamentos e têm que viver com essa doença por causa das listas de espera para as operações o que pode provocar a morte.

Por um lado há pessoas pobres que precisam de dinheiro para se sustentar a si e á sua família e há outras pessoas que têm muito dinheiro e que o gastam em coisas desnecessárias (roupa, automóveis…) em vez de doarem algum desse dinheiro a lares ou a instituições de caridade.
Todos ficaríamos a ganhar!

BARACK OBAMA
O novo presidente dos Estados Unidos chama-se Barack Obama, ele é advogado, tem duas filhas, a sua mulher chama-se Michele Obama e também é advogada.
Os seus pais divorciaram-se e ele ficou a viver com os avós, foram eles que o educaram.
Barack Obama promete construir 5 milhões de postos de trabalho, porque acha que todas as crianças têm direito a ter as oportunidades a nível económico que as suas filhas tiveram e que vão ter ao longo da sua vida.
Ele promete construir escolas públicas para que as crianças, os adolescentes, e os jovens aprendam toda a matéria do ensino e tenham uma boa profissão e que ganhem dinheiro para se sustentar o que vai permitir ao país pessoas mais cultas.
Há pessoas dos Estados Unidos que não aceitam o novo presidente pela sua raça, essas pessoas são racistas e se continuam com esse comportamento nunca vão ter uma vida estável porque não confiam em quem governa o seu país.
O seu lema é “YES, WE CAN”, que quer dizer, sim nós conseguimos, essa frase é um incentivo para toda a população.
Obama vai também construir muitos hospitais públicos para que as pessoas tenham possibilidades para curar as suas doenças e pagar os seus tratamentos com muito menos dinheiro.
Espero que ele cumpra tudo o que prometeu porque se ele cumprir o país vai evoluir bastante a todos os níveis sociais!

Direitos Humanos
As guerras nunca acabam,
Há muita gente a sofrer.
A dor vai continuar,
E gente sempre a morrer.

Com o novo presidente,
Deve tudo melhorar.
Ele promete já muito,
Para o povo ajudar.

Vemos em fotografias,
As pessoas a sofrer.
Não têm culpa de nada,
Muita gente vai morrer.

A continuar a guerra,
O que vai acontecer,
É o amor acabar,
E o ódio a crescer.

TT - Discurso - Presidente: Miguel Loureiro

Caros amigos!
Uma saudação especial para todos e cada um em particular… registando que há uns que não puderam estar presente e outros também não…
1. Até parece que é a 1ª vez… e agora percebo o nervosismo da minha filha quando casou… e o meu contrato é só por um ano!
2. Não vou falar muito de Rotary porque quem sabe dispensa, quem não sabe não ficaria a saber, mas mesmo assim vou arriscar duas metáforas estapafúrdias, em que penso duas vezes todos os dias: para os mais novos e os mais empenhados, Rotary é como a pasta de dentes, que por muito vazia que pareça, tem sempre matéria que chegue para o efeito e para os menos comprometidos, Rotary é como o roll-on do desodorizante, que mesmo esgotado há muito, ficamos com a sensação de que cumprimos a obrigação.
3. E tenho que dizer, que o Governador do Distrito 1970 para este ano é o nosso Companheiro do R. C. de Vila Real, Manuel Cordeiro e que ainda não sabemos quando será a sua Visita Oficial.
4. Tenho que dizer também que o Presidente do RI para 2009-10 é John Kenny, do Rotary Club de Grangemouth, Escócia, que foi Director da Faculdade de Direito, Juiz e Notário, é actuante no movimento Escuta e é membro e administrador adjunto do conselho Presbiteriano da Igreja da Escócia, nomeado pela Rainha Elizabeth II (nos últimos anos os Presidentes de RI vêm dos mais variados credos religiosos, etnias e culturas, o que atesta a apregoada igualdade na diversidade) e que escolheu como lema seu:
“O Futuro do Rotary Está nas Suas Mãos”, o que me deixa um pouco à vontade e até me facilitou a aceitação da Tarefa, porque nunca serei eu o responsável pelo futuro do clube ou do movimento, senão o lema seria “O Futuro de Rotary Está nas Minhas Mãos”… Certo?
5. A propósito, deste bisar como Presidente (o que é mau e se vai generalizando no Distrito), quiseram convencer-me de que era uma honra, porque eu seria o 4º repetente (nem medalha de bronze, mas enfim!) e fiquei desconfiado com a esmola, porque há mais quem precise…
6. Depois veio o meu Padrinho, o Companheiro Rui Terroso dizer-me que como ele não poderia ser Presidente, este mandato seria o que lhe corresponderia e mais uma vez pensei que se a “coisa der para o torto”, devem responsabilizá-lo, a ele… inimputabilidade absoluta!!!
7. Mas a única razão, ou a mais forte, que justifica o aceitar repetir esta Tarefa, veio do Companheiro e Past-Governador Madureira Pires, que estava ao meu lado e disse: “Se fosse mais novo e tivesse saúde, eu oferecia-me.” Aí eu percebi que o caso era sério e que o clube, com 45 anos de serviços, poderia entrar em crise (tinha que falar da Crise), e pôr em causa 45 anos da vida rotária dos nossos 5 Fundadores e apesar da minha idade, mas com esta aparência saudável, só tinha uma opção a fazer, que era dizer SIM, depois de consultar os “astros” e arregimentar novos recrutas.
8. Como hoje em dia a estatística é importante para a mensagem, embora a mensagem é que seja importante, aqui vão uns números sobre ROTARY INTERNATIONAL, para entendermos as prioridades de acção:
· 1.220.413 Rotários 33.260 Clubes Rotários 534 Distritos (há 195 países no Mundo e Rotary está em 166)
· 171.856 Rotaractistas 7.472 Rotaract Clubs
Hoje já somos 1.220.416 e pela nossa parte o Rotary crescerá!
9. Se quisermos enquadrar o nosso clube no nosso Distrito, veremos que:
Quanto ao Quadro Social o R.C. Póvoa de Varzim tinha em 2008/09 tinha 37 sócios.
Hoje já somos 40 e seremos mais, mas o número não é o mais importante, como veremos à frente.
Se tivermos em conta a Média da Idade dos sócios do Distrito 1970, que é de 57,5 e que a do nosso Clube é de 61 anos, teremos que concluir que somos um clube de muita gente “experiente”, ocupando o 15º lugar dos mais idosos, num universo de 85 clubes. Por um lado, vantagens, por outro limitações e por isso vamos fazer o milagre de rejuvenescer o clube, sem que cada um de nós continue a fazer anos, inexoravelmente…
Mas, se analisarmos a frequência dos nossos Companheiros durante o ano 2008/09, sabendo que o mínimo exigível é de 60%, constataremos uma realidade incómoda e que tem que ser sanada, porque só atingimos 43,42%, o que nos coloca em 37º lugar, nos 50% de clubes que registaram a frequência. É bom dizer, que este mal se alastra e por este andar qualquer dia teremos uma verdadeira “pandemia”.
10. Feito o desenho do clube, cada um que tire as suas conclusões, mas uma coisa é certa, sem companheiros não há clube, sem clube não há companheirismo, sem companheirismo não há futuro em Rotary. Pensem nisto, porque a 1ª meta do Clube tem que ser a RETENÇÃO e o DESENVOLVIMENTO DO QUADRO SOCIAL e com mulheres, que vai ter!
11. A 2ª meta do Clube tem quer ser o aumento da FREQUÊNCIA, porque temos 2 projectos grandes do clube e todos somos necessários:
· O 1º é o Rotaract, que como antecâmara de Rotary tem que ser acompanhado, incentivado, desenvolvido, informado e formado na filosofia rotária, porque são ou devem ser o nosso braço activo (direito ou esquerdo, aqui não há 3ª ou 4ª via), simplesmente porque são patrocinados por nós e fomos nós que os metemos nisto;
· E o 2º é a Universidade Sénior da Póvoa de Varzim, do Rotary Club, que nasceu em força em 2007/08, aumentou a procura em 2008/09, mas no final deste ano lectivo teve um aumento negativo (esta é uma piadinha para os economistas e gestores), que nos tem que deixar alerta e actuantes, porque tem que continuar, mesmo tendo em conta o “Deve e Haver”, porque Rotary Deve SERVIR uma faixa etária que precisa de se sentir viva e viver com qualidade e porque Rotary tem que Haver pessoas (alunos e Professores voluntários) e parcerias com instituições ou empresas, com a mesma consciência social que nós temos que ter, NÓS, TODOS OS PRESENTES!
12. Mas temos outra tarefa importante, que é, usando as Tecnologias da Informação e Comunicação, ir informando, abrindo o clube à comunidade e interagindo, com a utilização em força do Blogue, que tem estado subaproveitado.
13. E quem vai levar estes propósitos até às metas? (dizer objectivos já tem conotação negativa e cheira a trabalhos forçados) A DIRECÇÃO é claro e que é composta pelos Companheiros, que passo a apresentar:
Presidente 2009/19 Miguel Rodrigues Loureiro
Presidente 2008/09 Carlos Alberto Santos da Costa
Presidente 2010/11 Manuel Joaquim Craveiro
Protocolo Fernando Manuel Ribeiro de Castro
Secretário João do N. Saldanha Rosa
Tesoureiro José Oliveira Pereira
Tesoureiro Domingos Martins da Silva Barros
Relações Públicas João Paulo Costa e Silva
Serviços Internos Eugénio Joaquim Proença Fernandes
Serviços Profissionais Afonso Pinhão Ferreira
Serviços à Comunidade Ilídio Novais de Matos Pereira
Serviços Internacionais Lam Peng San
Delegado à FRP Alberto Eiras Gomes dos Santos
Delegado à RF David Alfredo Mendonça Oliveira Santos
Delegado ao Rotaract Sérgio Lordelo
Universidade Sénior Serafim Salgado Amaro Afonso
António Augusto Sá Couto
Jorge Manuel de Guimarães Caimoto
Presidente Rotaract Liliana Pontes
14. Mas para as nossas reuniões, que são semanais, às 3ª feiras, pelas 21H30, vamos cumprir os temas rotários de cada mês, cruzando-os com temas das Nações Unidas, a começar com o de 2009, “Ano Internacional da Aprendizagem dos Direitos Humanos” e o de 2010 “Ano Internacional para Aproximação de Culturas”. O Programa desenhado e que já alguns conhecem, será consensualizado em Assembleia-geral, para que os compromissos nos comprometam.
15. Finalmente, e porque o cunho de cada mandato reflecte o cunho do seu Presidente, na 26ª Conferência de Espinho, António Hallage, Representante do Presi­dente de RI, falou de valores e de ideais do Rotary e das metas a atingir. E deixou um repto:
“O Rotary deve ser revo­lucionário, renovar o processo de evolução. As jornadas intelectuais têm que se transformar em jorna­das de acção”.
E porque estou de acordo, será este o caminho, que iremos fazendo, caminhando… e espero que lado a lado!!!
16. E acabo com uma quadrinha do Mário Quintana, que se chama:

Das utopias

Se as coisas são inatingíveis... ora!
não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
a mágica presença das estrelas!

Obrigado pela presença e pela paciência…

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Quadro Social

Afonso Fernando
Afonso Manuel Pinhão Ferreira
Alberto Eiras Gomes dos Santos
António Carlos V. da Costa Leite
António Maria Gomes
António Augusto Sá Couto
Carlos Alberto Santos da Costa
David A. M. Oliveira Santos
Eugénio J. Proença Fernandes
Fernando Jorge Calisto Duarte
Filomeno Afonso Terroso
Ilídio Novais de Matos Pereira
João do Nascimento Saldanha Rosa
João Oliveira da Costa
João Paulo Gonçalves da Costa e Silva
Jorge Manuel Guimarães Caimoto
José Alberto Correia Gonçalves Pereira
José António Ribeiro de Azevedo
José Antunes Santos Silva
José Augusto Leão Costa
José Manuel de Oliveira Pereira
Manuel Carvalho da Silva Pereira
Manuel João Borges de Madureira Pires
Manuel Joaquim F. S. Craveiro
Miguel Rodrigues Loureiro
Peng San Lam
Ricardo Miguel Fernandes da Costa
Rui Jorge Borges Terroso
Rui Manuel de Oliveira Samúdio
Serafim da C. S. Amaro Afonso

Amélia do Céu Borges Terroso(Hon.)
Américo Fernandes Santos Graça(Hon.)
Carlos Evaristo de Sousa Baptista(Hon.)
Fernando M.Guedes Gil da Costa(Hon.)
Francisco Zamith(Hon.)
Ruth Madureira Pires(Hon.)

terça-feira, 7 de julho de 2009

Miguel Loureiro(II) 2009/2010

Classificação: Arquitectura
Lema
O futuro de Rotary está em suas mãos
Presidente do R.I.
John Kenny
Governador
Manuel Cordeiro

Os Presidentes Repetentes

Miguel Loureiro
2009/2010
1997/1998

Filomeno Terroso
1996/1997
1974/1975

José Azevedo
1984/1985
1972/1973

Afonso Fernando
1988/1989
1965/1966

Carlos Costa

Carlos Costa e o seu grupo - GuitarceloTrio

http://www.myspace.com/guitarcelotrio
GuitarCeloTrio ao vivo no Museu Mun. de Etnog. e Hist. P. Varzim

domingo, 5 de julho de 2009

Programa de Julho

Dia 7 20:30 – Reunião de Jantar
Transmissão de Tarefas
Rotary Club da Póvpa de Varzim e do
Rotaract Club da Póvoa de VarzimEntrada de novos Companheiros

Dia 14 21:30 – Reunião de Café e Companheirismo
Ano Internacional da Aprendizagem dos Direitos Humanos
Apresentação, Debate e Síntese

Dia 21 21:30 – Assembleia-geral
Plano de Actividades e Orçamento
Apresentação, debate e aprovação

Dia 28 21:30 – Reunião de Café e Companheirismo
Tema a designar ou em “roda-livre”

Hino de Rotary Internacional

 Rotary - Hino do Rotary Internacional

Hino de Rotary Internacional

Somos companheiros unidos no ideal
Juntos o ano inteiro em harmonia sem igual
Temos no trabalho a nossa vocação
E no Servir o nosso coração

Somos do ROTARY companheirismo internacional
Somos do ROTARY rotarismo pra paz mundial
Somos do ROTARY comunidade em atenção
Com respeito e amizade divulgamos a compreensão

Honrando o nosso emblema
Engrenagem azul - ouro assim
Seguindo o nosso lema
Dar de si antes de pensar em si
Temos no trabalho a nossa vocação
E no Servir o nosso coração

Somos do ROTARY companheirismo internacional
Somos do ROTARY rotarismo pra paz mundial
Somos do ROTARY comunidade em atenção
Com respeito e amizade divulgamos a compreensão

A ética conclamamos
Da maneira exemplar
Paul Harris nós lembramos
P’ra sua meta alcançar
Temos no trabalho a nossa vocação
E no Servir o nosso coração

Somos do ROTARY companheirismo internacional
Somos do ROTARY rotarismo pra paz mundial
Somos do ROTARY comunidade em atenção
Com respeito e amizade divulgamos a compreensão
_______________________________________________________
Interpretação: Coral Berlioz
Letra e Música: Márcio Arroyo
Arranjos e Intrumentação: Carlos Jalil Fauza
Mixagem: Lebinho

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Convite

Programa TT

20H30 Recepção: Aperitivos
21H10 Protocolo
21H15 Secretaria
21H20 Jantar Bufet: Jantar / Sobremesa
22H00 Momento do Presidente Cessante de Rotary (Carlos Costa)
22H10 Transmissão de Rotary (Miguel Loureiro)
22H15 Momento do Presidente Cessante de Rotaract (Sérgio Lordelo)
22H25 Transmissão de Rotaract
Café
22H35 Momento do Presidente do Rotaract 2009/10 (Liliana Pontes)
22H45 Momento do Presidente de Rotary 2009/10:
Entrada de 2 novos sócios: António Leite e Sérgio Lordelo (Currículos)
Apresentação Rotária
23H00 Discurso (Direcção)
23H20 Actualidades e Comunicações
23H45 Encerramento

Rotaract: Quadro Social

Rotaract: Programa 2009/2010

1. Transmissão de Tarefas
2. Aprovação de Regulamento Interno do RCPV
3. Feira da Solidariedade
4. Verão e Prevenção
5. Conferência
6. Congresso no Funchal
7. Reunião de Presidentes
8. Magusto
9. Visita Representante Distrital
10. Encontro de Gerações I
11. FESTA DE NATAL
12. FESTA DE FIM DE ANO
13. Jantar com o Governador
14. Jantar a favor da Casa Santa Maria da Estela
15. II Reunião de Presidentes
16. Encontro de Gerações II
17. Visita do Representante Distrital/Aniversário do Club
18. Conferência
19. FORMAÇÃO ROTÁRIA
20. INTERCÂMBIO COM O DISTRITO DE 70 AOS FDS
21. INTERCÂMBIO INTERNACIONAL COM UM PAÍS A DESIGNAR

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Programa: 2009/2010


Paul Harris vem a uma reunião do R.C.P.V.


Paul Harris vem a uma reunião do Rotary Club da Póvoa de Varzim(Triplíco)
Afonso Pinhão Ferreira, 20/06/1997
Óleo sobre tela(110cm x 70cm / 140cm x 110cm / 110cm x 70cm)

Legenda(da esquerda para a direita):


  • Carlos Baptista

  • Aparício Mariz(de pé)

  • Afonso Fernando

  • Macedo Vieira(de pé)

  • Rui Terroso(de pé)

  • Novo Compº(de pé)

  • Américo Graça

  • Afonso Ferreira

  • Paul Harris(de pé)

  • Proença Fernandes

  • M. Silva Pereira(de pé)

  • Alberto Eiras

  • Madureira Pires

  • João Costa

  • Miguel Loureiro(de pé)

  • Filomeno Terroso